O espaço recebeu o revestimento de placas de cimento em algumas paredes e criam um interessante contraste com o piso original do casarão, composto por raras madeiras brasileiras.

A convite do curador do evento, o arquiteto Abreu Jr., o Studio Guilherme Torres, um expoente da arquitetura brasileira, se fez presente na Mostra Casa Nova. Na exposição o arquiteto Guilherme Torres e sua equipe apresentam um trabalho que soma arte, decoração e design.

Duas decisões guiaram a linha criativa do espaço O Mar, na Pinacoteca Casa Nova: explorar sua linha de móveis, que está sendo reeditada em novos materiais e desenhos, e contrastá-los com clássicos do mobiliário brasileiro, uma obsessão estilística constante no trabalho do arquiteto. Diante dessa curadoria, o espaço recebeu o revestimento de placas de cimento em algumas paredes, que servem como luminárias e criam um interessante contraste com o piso original do casarão, composto por raras madeiras brasileiras e restaurado pela exposição.

Outra característica no trabalho do arquiteto é a inserção de sensações. Para isso, ele selecionou o poema O Mar (The Sea), do cantor e poeta Arnaldo Antunes, como trilha sonora e aplicou fragmentos do poema nas paredes. A voz do poeta soa como ritmo irregular das ondas em O Mar, um trabalho onde os versos viram palavras-coisas, como Sartre sugeriu que a poesia é.

A seleção de mobiliários icônicos do período de ouro do design brasileiro foi realizada em conjunto com Teo Vilela, antiquário dos mais bombados em São Paulo. A mesa Fifities, uma peça-chave de Torres, foi reproduzida em Corian pela Infinita Superfícies, que reproduzirá uma tiragem limitada de todas as suas peças. Cadeiras de Joaquim Tenreiro dialogam com o formato aerodinâmico na mesa. No mesmo espaço, cria-se um diálogo entre a poltrona Jangada, de Jean Gillon, com peças de design contemporâneo.

O sofá Otto, outro clássico de Guilherme, foi apresentado em versão "2.0" nas palavras do designer. Almofadas soltas no assento aproximam mais seu design de um Chesterfield, ponto de partida para sua concepção inicial. Poltronas e sofás de Sérgio Rodrigues, Ricardo Fasanello, mesas de Jorge Zalszupin em jacarandá, uma extinta madeira brasileira, criam a atmosfera atemporal desse espaço, que mesmo fechado é voltado para o mar, como cita a poesia de Antunes.

PROJETO

O MAR

 

ANO DE CONCLUSÃO

2012

 

LOCALIZAÇÃO

FLORIANÓPOLIS, SC, BRASIL

 

 

FOTOGRAFIA

DENILSON MACHADO ─ MCA STUDIO

Crafted in the heart of one of the most high-end neighbourhoods of São Paulo, the 1100m2 residence was built by the owner’s grandparents in the 1960s. The original house was designed following a neoclassical style and had a very closed and compartmentalized floor plan.  

 

The project aimed to rethink the spatial distribution of the environments, opening the internal spaces and creating new structures that transformed the house into a contemporary work of art, in total harmony with the client, a young DJ and music producer. 

 

The house presents it’s self with a very sophisticated style yet very informal. The project was developed using a palette of timeless materials of white Brazilian marbles contrasting with an elaborate ebony woodwork. 

 

All the furniture was entirely designed by the architect, who is also and designer. The sofas in the main living room and the fireplace room are covered in fabric and leather, in a modular system that allows infinite combinations. The dining table, purposely just mounted with one chair, maintains the dramatic mood of the decor. Pictures and objects are few and belong to the personal collection of the owner. 

 

The ebony wood walls hide doors and spaces like the wine cellar, which is separated from the office designed with acrylic panels that create a tasting area and accommodate wines, one of the owner great passions. 

 

On the upper floor, a generous 140 m2 master suite integrates bedroom, terrace, closet and bathrooms without any formal divisions. Walls with luminous panels mixed with ebony wood panels create subtle divisions. Again, all the furniture was developed especially for these spaces. 

All the upper floor spaces are open through black perforated movable metal panels, creating a very strong graphic effect:  pixelating the crowns of the trees that surround the whole construction, giving a surreal touch to a project that does not propose fully decorated spaces, but a careful and detailed selection furniture, that will receive the many layers of affective memory over the years.

PROJECT

V2 HOUSE

 

YEAR

2018

 

BUILT AREA

1.100m²

 

LOCATION

SÃO PAULO, SP, BRASIL

 

 

PHOTOGRAPHY

DENILSON MACHADO ─ MCA STUDIO

AWARDS